Orientações Estratégicas

2012-2015

Procedeu-se à atualização das orientações gerais para o Departamento de Museologia tendo em consideração que a atual conjuntura de crise se revela na acentuada baixa de procura de cursos de Mestrado e de Doutoramento em particular no campo das Ciências Sociais.

Esta situação é em tudo idêntica aquela registada noutras universidades portuguesas públicas e privadas, que atual também ná area da Museologia e do Património.

É pois prudente pensar que esta situação se manterá nos próximos anos, situação que obriga à busca de campos de ação complementares.

Também é relevante para o Departamento o fato dos seus dois programas (2º e 3º Ciclos) terem sido avaliados e acreditados pela A3ES. No caso do Mestrado com a classificação máxima e no Doutoramento que foi igualmente acreditado, mas com chamada de atenção exatamente para a sustentabilidade do programa tendo em conta a redução de alunos previsível. Neste contexto a acreditação é entendida como um forte estimulo ao prosseguimento do nosso trabalho e ao seu aperfeiçoamento.

A revisão dos planos curriculares já efetuada, introduzindo a área das novas tecnologias da Informação e da Comunicação, assim como a criação de um estagio em meio laboral ao nível do Mestrado enquadram-se já nas medidas resultantes da presente conjuntura.

Igualmente deverá ser avaliada a possibilidade de criação de um Curso de Especialização Tecnológica em Museologia e Património orientado naturalmente para outro escalão etário de alunos.

A parceria com a Universidade de São Paulo é neste domínio bastante promissora e deverá ser desenvolvida com ao maior atenção.

O envolvimento do Departamento na criação do Mestrado de Museologia na UFBa também pode trazer sinergias da maior relevância.

Enquadramento

O Ensino da museologia na ULHT tema sua origem numa equipa de profissionais que criou o primeiro curso universitário em Portugal de Museologia o qual teve a primeira edição na Universidade Autónoma de Lisboa. Posteriormente, por falta de condições cientificas e de desenvolvimento de um contexto organizacional antidemocrático a equipa docente transferiu-se para o antigo ISMAG dando desde então continuidade ao seu projeto na atual ULHT

Desde o início a Direção dos Programas teve o cuidado de chamar colaboradores externos em particular no Canadá e na França e alargando essas colaborações a instituições do Brasil e mais recentemente da Holanda.

A ligação de alguns dos seus docentes ao Movimento Internacional para uma Nova Museologia MINOM, o qual é uma organização internacional afiliada ao Conselho Internacional dos Museus (ICOM) tem permitido não só um permanente atualização de conceitos como tem beneficiado de uma rede alargada de parcerias internacionais. A nível nacional, a organização anual dos Encontros Nacionais Museologia e Autarquias em colaboração com o poder local, assegura-lhe atualmente uma boa articulação com museus e autarquias em diferentes domínios, cobrindo o território nacional.

Ao longo dos anos a oferta formativa em Museologia tem sido regularmente adaptada às necessidades do contexto nacional, tendo sido lecionados cursos de especialização de 2 anos em Museologia Social, Cursos de Conservador de Museus e um curso de Museologia e Educação. Foi na ULHT que foi criado o primeiro Doutoramento em Museologia nas Universidades de Língua portuguesa.

Em termos nacionais foram criados desde então cursos de Mestrado nas Universidade de Évora, de Lisboa, de Coimbra, do Porto, Universidade Nova de Lisboa, e ISCTE e no último ano letivo foram criados programas de Doutoramento na Universidades do Porto e de Évora.

De um modo geral os alunos dos diferentes cursos estão na sua maioria actuando na área da museologia procurando uma qualificação profissional e científica.

Neste contexto e relativamente ao futuro, o Conselho Científico do Departamento definiu as seguintes linhas estratégicas que deverão ser implementadas em harmonia e de forma transparente e colaborativa com as Unidades Orgânicas, Unidades e Centros de I&D e demais serviços da Universidade.

A nível do corpo docente

A internacionalização deverá continuar a ser objeto de uma atenção particular, prosseguindo e melhorando as orientações já traçadas. Assim devem continuar a ser contratados no estrangeiro professores doutorados de forma a manter um rácio relativamente aos nacionais de 50%. Deverá ser alargado os países de origem, em particular aos europeus, já que atualmente estas contratações são feitas sobretudo no Brasil e na Holanda Para além dos professores estrangeiros visitantes regulares deverá ser política do Departamento o convite de conferencistas nacionais provenientes de outras instituições.

A nível do corpo discente

Torna-se necessária promover a divulgação dos cursos lecionados no Departamento em particular nos PALOP’s e no Brasil.

Na medida em que as viagens de estudo temáticas anuais do Departamento ao estrangeiro, tem sido reconhecidas como da maior utilidade pedagógica e científica importa reforçar estas atividades criando vagas para alunos e docentes de outras Unidades Orgânicas da ULHT.

A nível da Investigação científica

A investigação no Departamento é realizada essencialmente no âmbito dos projetos executados no Programa de Mestrado (13 projectos em curso 3º e 4º semestres) e sobretudo no Programa de Doutoramento (25 projectos em curso 2º e 3º ano).

Importa pois reforçar todas as medidas que contribuem para o bom desenvolvimento dos projetos de investigação realizados no quadro das Dissertações e Teses continuando a organizar os seminários de investigação e as visitas de estudos.

As redes internacionais estabelecidas que sustentaram projetos de investigação com financiamento exterior realizados pelo Departamento no quadro do TERCUD deverão ser mantidas e alargadas tendo em vista novas candidaturas em particular no quadro do FP7 e da ESF.

O Centro de Estudos de Sociomuseologia deverá prosseguir a sua reorganização no quadro do TERCUD e das novas orientações da ULHT para a Investigação que certamente darão os seus frutos.

O Departamento deverá prosseguir com a realização conjunta de conferências internacionais a ter lugar em Lisboa ou no estrangeiro.

Promoção de cursos internacionais

A exemplo dos cursos já realizados no Brasil e em Cabo Verde, o Departamento deverá alargar a tipologia dos cursos a realizar no estrangeiro visando novos públicos e novas temáticas.

Deverão prosseguir as ações visando a realização de um curso de especialização em parceria com a USP dando seguimento ao  protocolo recentemente assinado entre o departamento e o MAE-USP.

Neste quadro está prevista a realização de um curso na Cidade de Assomada em Julho 2011 resultante de parceria com a Câmara Municipal e com o MINOM- ICOM.

Política editorial

O Centro de estudos publica a principal revista em língua portuguesa dedicada à museologia, tanto pela qualidade das colaborações nacionais como estrangeiras como também pela regularidade com que é publicada. A Revista está organizada em 3 sectores:

  • Revista “Cadernos de Sociomuseologia” propriamente dita,  baseada em artigos em ful texto online e em papel;
  • Coleção “Estudos pós-graduados” para edição de dissertações e teses;
  • Coleção “Sociomuseology” em língua Inglesa visando a divulgação de autores de língua portuguesa e outros textos também em inglês dedicados à Sociomuseologia.

Importa pois desenvolver a politica editorial melhorando a Revista Cadernos de Sociomuseologia (alargamento do Conselho de Redação, registo noutras redes internacional de revistas Científicas)
e iniciar a publicação impressa regular de dissertações e teses devidamente selecionadas.

Todos estes setores devem ser objeto de permanente aperfeiçoamento.

Outras medidas

Deverá ser dada atenção a outras ações visando o desempenho de outras áreas de actividade.
A prestação de serviços ao exterior deverá continuar, sendo de organizar junto das Câmaras municipais uma campanha de divulgação dos serviços que o Centro de estudo pode efetuar.